↓ Choose the Language ↓ 

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Artista francês projeta rostos de índios em árvores da Amazônia num protesto contra o desmatamento da floresta

Fonte: Conexão Planeta

(07 de Dezembro de 2017)

Rostos de indígenas brasileiros foram projetados em árvores da Floresta Amazônica, e o resultado é belíssimo. A intervenção, de autoria do fotógrafo e artista francês Philippe Echaroux, tem como objetivo chamar a atenção para o desmatamento que devasta a floresta. As projeções demonstram a conexão profunda entre a natureza e seus habitantes, ressaltando a necessidade da preservação ambiental.

O francês, que se considera um artista ativista, faz o que chama de “Street Art 2.0”: arte de rua sem tintas, apenas luz. E muito menos ruas, no caso deste projeto.

Philippe Echaroux fotografou retratos de membros da tribo Suruí, grupo indígena brasileiro dos estados de Rondônia e Mato Grosso. O líder da tribo, Almir Narayamoga Suruí, foi convidado pelo governo brasileiro para ajudar na preservação da floresta. Ele, por sua vez, convidou o francês para utilizar a arte como um apelo contra o desmatamento e destruição da floresta.

Vítima da exploração madeireira ilegal, das mineradoras que não hesitam em violar o território Suruí, e principalmente da pecuária, o grupo indígena quer a conscientização sobre essa horrível e gananciosa exploração que põe em risco todo um território e seu povo.

Descrevendo a inspiração por trás do projeto, Echaroux diz que “Quando você corta uma árvore, é como se derrubasse um homem”.

A série fotográfica compõe a exposição “The Crying Forest” (“A Floresta que Chora”), que permaneceu na Galerie Taglialatella em Paris por longa temporada, e que agora roda o mundo. Essas projeções na mata foram feitas em dezembro de 2016.

 

Amazônia

Estive na Amazônia numa incrível e reveladora viagem pra mim. Antes de chegar em Manaus, ainda do avião vi muito desmatamento e queimadas, provocados principalmente pela pecuária. Uma visão devastadora.

Já na Floresta, tive contato com indígenas, com a mata fechada, com os rios e botos, uma experiência maravilhosa que não podemos deixar acabar!

Escrevi sobre minha viagem à Amazônia. Clique AQUI  para ler.

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.