Catedral de Notre Dame de Paris - Curiosidades

Choose the Language ↓ Escolha o Idioma

EnglishFrenchGermanSpainItalianDutch
RussianPortugueseJapaneseKoreanArabicChinese Simplified
 
 

 

               Bati essa foto da Ponte Saint-Michel. Uma das vistas mais bonitas de Paris na minha opinião. Vc conhece a origem do nome "Paris"?

 

Os primeiros registros de povoamento nessa região datam de 6.000 anos atrás! Mas pouco se sabe desses tempos mais antigos. Porém, com a chegada das tropas de César em 52 a.C., um povo celta chamado parísios dominava o local. Daí veio o nome PARIS. E foi aqui, onde hoje fica a Notre-Dame, que a cidade de Paris nasceu.

A Notre Dame é uma das mais antigas catedrais francesas em estilo gótico. Começou a ser contruída em 1163. Mas ela não foi a primeira igreja dalí. Naquele mesmo exato local, já existiram outras igrejas antes.

 

História da catedral

Antes da Notre-Dame existir, o mesmo lugar era usado pelos celtas para praticarem seus cultos religiosos. Depois chegaram os romanos e ergueram no lugar um templo em devoção ao deus Júpter. 

Tempos depois, no mesmo local, foi erguida uma das primeiras igrejas católicas de Paris, a Basílica de Saint-Etienne, por volta de 528 d.C. , mas foi substituída ao longo dos anos por uma igreja românica que permaneceu lá durante séculos. 

Foi quando que, em 1160, o então bispo Maurice de Sully começou a considerar a então igreja "pouco digna" para os novos valores católicos (????) e mandou demoli-la. Simples assim! 

Em substituição à ela, veio a idéia de construir uma catedral em estilo Gótico, que seria a Notre-Dame. As obras começaram em 1163 e o projeto inicial foi uma cópia exata da catedral de Saint Denis, que ficava no norte de Paris. Ao longo da construção, o projeto foi tomando outros rumos, e a catedral de Notre-Dame foi se tornando o que é hoje. 

            Catedral de Saint Denis, a inspiração para a Notre-Dame.

 

A verdade é que, depois de tanto construir e destruir igrejas anteriores, a Notre-Dame vingou e está lá até hoje. Em uma das vezes que estivemos em Paris, acontecia o evento de comemoração dos 850 anos da catedral! Consegue imaginar isso? 850 anossss??? (Hoje, em 2019, ela já tem 856!)

Em substituição à ela, veio a idéia de construir uma catedral em estilo Gótico, que seria a Notre-Dame. As obras começaram em 1163 e o projeto inicial foi uma cópia exata da catedral de Saint Denis, que ficava no norte de Paris. Ao longo da construção, o projeto foi tomando outros rumos, e a catedral de Notre-Dame foi se tornando o que é hoje.

 Moeda comemorativa que adquirimos lá no dia.

 

            Linda, às margens do Rio Sena.

 

Em abril de 2019, a Notre-Dame foi parcialmente destruída, atingida por um incêndio no telhado, e chocando o mundo por causa dessa tamanha negligência. Mas essa não foi a primeira vez que a catedral sofreu danos.

Em 1337 veio o primeiro susto. No auge da Guerra dos Cem Anos, entre os gauleses e a Inglaterra, o inglês Henrique VI se auto proclamou rei da França. A coroação foi na catedral. Foi um evento bem traumático, porque os franceses não aceitaram o fato de terem um estrangeiro como rei, e a guerra não acabou como o planejado.

Depois veio a Revolução Francesa (1789-1799). Durante esse período, a Notre-Dame foi transformada em armazém de alimentos, dá pra acreditar? Muitas das riquezas da igreja foram perdidas. A torre da catedral foi desmontada e até mesmo um dos sinos foi derretido para a construção de canhões. As 28 estátuas da Galeria dos Reis foram decapitadas, um caos total.

A galeria dos Reis é essa fileira de estátuas que fica na fachada da Notre Dame. Cada estátua tem 3,5 metros e representam figuras do Antigo Testamento e monarcas franceses. Durante a revolução Francesa foram decaptadas porque as pessoas achavam que eram os reis da França. As atuais estátuas foram refeitas por Viollet-le-Duc (cerca de 50 anos depois!) e as originais estão expostas no Museu de Cluny.

Durante a Revolução Francesa, a catedral chegou, inclusive, a ser confiscada da Igreja Católica e só voltou ao comando do Vaticano com o fim do processo revolucionário, quando Napoleão Bonaparte a devolveu ao clero e promoveu uma série de renovações nela, que estava praticamente abandonada. 

E aproveitando a reforma da Notre-Dame, nela Napoleão foi coroado como Imperador da França, em 1804. 

Esse é um quadro de 1807 do artista francês Jacques-Louis David. A obra é o único registro do momento da coroação de Napoleão na Catedral de Notre Dame. Na obra, é possível observar a esposa de Napoleão Joséphine, recebendo a coroa das mãos do seu próprio marido. O quadro tem dimensões impressionantes: possui 10 metros de largura e 6 metros de altura, e está exposta no Museu do Louvre.

Na obra, é possível observar a esposa de Napoleão Joséphine, recebendo a coroa das mãos do seu próprio marido. O quadro tem dimensões impressionantes: possui 10 metros de largura e 6 metros de altura, e está exposta no Museu do Louvre.           Nós, com o quadro no Louvre.

 

Apesar das renovações promovidas por Napoleão, a catedral continuou em estado de deterioração profunda por décadas. E foi isso que levou o escritor Victor Hugo, um dos maiores nomes da literatura francesa, a fazer uma campanha pela renovação da Notre-Dame. Em 1831, ele publicou o romance histórico “O Corcunda de Notre-Dame” com o intuito de conscientizar os franceses da necessidade de se conservar a catedral. Vou falar do livro mais à frente. 

Em 1844, embalado pela iniciativa de Victor Hugo e com o resgate do nacionalismo francês, um outro e importante restauro da catedral foi iniciado, liderado pelo arquiteto Viollet-le-Duc. Esse trabalho durou 23 anos, até a sua morte! A Notre-Dame estava em um estado lamentável, com várias partes de seu edíficio em ruínas e teria sido demolida caso o projeto de restauração desenvolvido pelo arquiteto não a tivesse salvo.

Em 1871, a Notre-Dame torna-se novamente pano de fundo a turbulências sociais, e foi quase incendiada. Sobreviveu!

Em 1909, ocorreu na catedral outro fato importante na época, a beatificação de Joana d’Arc. Até hoje, é uma das imagens mais visitadas pelos turistas dentro da Notre-Dame.

                             Imagem de Joana d'Arc.

 

Não é a única Notre-Dame que existe

Quando a gente viaja pela França, percebemos que TODA catedral de TODA cidade francesa se chama NOTRE DAME. Significa “Nossa Senhora”. Então, como no Brasil que temos: Catedral de Nossa Senhora de Aparecida do Norte, Catedral de Nossa Senhora da Assunção de São Paulo, Nossa Senhora da Penha etc etc etc..., lá na França é igual. 

Tem a Notre Dame de Strasburgo, Notre Dame de Nice, Notre Dame de Reims, Notre Dame de Chartres etc etc etc... Tem milhares de “Notre Dames” espalhadas pela frança. O mais interessante, é que elas são parecidíssimas. Isso porque foram construídas no mesmo estilo, o estilo Gótico.

             Notre Dame de Reims.

 

            Reims.

 

              Notre Dame de Strasbourg.

 

                Strasbourg.

 

                               Notre Dame de Rouen, etc etc...

 

À partir daqui, vou mostrar apenas fotos da Notre Dame de Paris, apesar de que, até mesmo dentro delas, todas da França se assemelham. A catedral de Paris se destacou mais que as outras por causa da importância da cidade nesse período perante a economia e política mundial. 

À partir daqui, vou mostrar apenas fotos da Notre Dame de Paris, apesar de que, até mesmo dentro delas, todas da França se assemelham. A catedral de Paris se destacou mais que as outras por causa da importância da cidade nesse período perante a economia e política mundial.                Nossa primeira visita à Notre Dame, em mil novecentos e bolinha.

 

Arquitetura Gótica

Como demorou 200 anos para ficar pronta, a catedral de Notre-Dame que conhecemos hoje possui diferentes estilos arquitetônicos. Ainda temos que lembrar que ela foi restaurada algumas vezes ao longo da sua história, e em cada restauro, foi acrescentado um toque de outro estilo de época. Mas vamos considerar que as características que prevalecem mesmo são da arquitetura gótica.

A arquitetura Gótica é um estilo que surgiu no norte da França durante a Idade Média. Veio para substituir a arquitetura Românica, que era inspirada na Roma Antiga.

O estilo Românico caracterizava-se por construções robustas, com paredes grossas e janelas bem estreitas, cuja principal função era resistir a ataques inimigos e invasões bárbaras.

O surgimento do estilo Gótico na Europa coincide com o domínio do cristianismo em se auto declarar o único poder espiritual supremo e inquestionável da Terra. Sendo assim, as construções Góticas chegaram para transformar as catedrais em instrumentos capazes de tornar uma simples “conversa com Deus” em algo bem mais impressionante, reafirmando o poder da igreja.

Através de uma série de técnicas inovadoras, as catedrais foram sendo construídas cada vez mais altas, tanto por dentro (nas naves) quanto por fora (nas torres). Isso de certa forma induzia os fiéis a olharem pra cima ("para o céu"), tornando o momento espiritual bem mais marcante e temente à Deus. 

Por isso, vemos na Notre-Dame as principais características do estilo gótico: interior da catedral com arcos altos e largos, e o lado de fora, com torres longas e pontiagudas, que apontam para o céu como se fossem flechas.

             O interior da Notre-Dame com o altar lá na frente.

 

             A nave principal da catedral mede 33 metros de altura e tem capacidade para 9 mil pessoas.

 

A arquitetura Gótica aprimorou o espaço interno da catedral, dando a impressão dela ser bem maior do que na verdade é, resultando em um incrível efeito tridimensional.  

                  É bem legal a noção de profundidade que as pilastras causam na gente!

 

A arquitetura gótica substituiu as paredes grossas das igrejas românicas por colunas altas e arcos capazes de sustentar o peso dos telhados. Uma revolução para a época!

As janelas são amplas e altas, deixando o ambiente bem mais iluminado e leve. Elas são decoradas com belos vitrais coloridos que, ao passar a luz natural, pintam o chão e as paredes, criando um clima meio místico. 

IMPORTANTE: Os vitrais possuem desenhos que representam passagens da Bíblia, do Novo Testamento, profetas, anjos, santos, reis, estações do ano, fases da lua e signos do zodíaco. Isso porque na idade média, as pessoas não sabiam ler. Então os vitrais e pinturas no interior das igrejas ajudavam a contar histórias e passar as mensagens.

 

As Rosáceas

Com o estilo Gótico, surge também a técnica dos enormes vitrais redondos, chamados de rosáceas. É importante ressaltar que elas aparece em TODAS as catedrais góticas do mundo, não só na Notre Dame de Paris. Mas como esse post é sobre a catedral de Paris, então vou mostrar as rosáceas de lá.

As rosáceas da Notre-Dame são verdadeiras relíquias do século 13. São conhecidas como “As Três Belas Rosas”, porque juntas formam a chamada “Trindade de Luz”. As rosáceas são: a rosácea norte, a rosácea sul e a rosácea oeste.

                 Rosácea Norte: Olhando de frente para o altar, ela fica à esquerda.

 

                  A Rosácea Norte mede 13 metros de diâmetro, e no centro, tem a imagem de Maria com o menino Jesus no colo. ** Foto do blog Tempo de Mandala

 

               Rosácea Sul: olhando de frente para o altar, ela fica à direita.

 

           Rosácea Sul.

 

               Rosácea Sul, com Jesus Cristo no centro anunciano seu retorno no final dos tempos, e ao redor, imagens de apóstolos e anjos. ** Foto do blog Tempo de Mandala.

 

                            Rosácea Oeste: Fica oposto ao altar, escondida atrás do órgão.

 

              Rosácea Oeste, também com Maria e o menino Jesus no centro. ** Foto do blog Tempo de Mandala.

 

Para você se localizar melhor:

               FACE SUL DA CATEDRAL.

 

               FACE NORTE DA CATEDRAL.

 

                Foto tirada da parte de trás da Notre-Dame, na ponte dos cadeados, com o Rio Sena à esquerda. Essa foto mostra a beleza da torre "agulha", também chamada de flecha.

 

Foto tirada da parte de trás da Notre-Dame, na ponte dos cadeados, com o Rio Sena à esquerda. Essa foto mostra a beleza da torre                Na verdade, essa ponte se chama Pont de l'Archevêché (ponte do arcebispo), mas por motivos óbvios, ela é conhecida como ponte dos cadeados. 

 

                Com a rosácea sul lá trás.

 

              Com a rosácea oeste.

 

Tesouros e Relíquias

Além da importância histórica e religiosa, a catedral de Notre-Dame preserva dezenas de obras de arte, símbolos e relíquias, como fragmentos da coroa de espinho e da cruz de Jesus Cristo, além de um órgão musical do século 17. 

                O órgão.

 

A peça mais valiosa de Notre-Dame é a Santa Coroa, feita a partir de partes do que se acredita ter sido a coroa de espinhos usada por Jesus Cristo em sua crucificação. Normalmente é conservada no final da nave da catedral, em uma área que não pode ser acessada por visitantes.

 

Os 3 Portais

A frente da Notre Dame fica na Praça Jean-Paul II. A entrada possui 3 portais que foram construídos em épocas diferentes. São muito trabalhados, talhados na parede de pedra formando figuras maravilhosas. Uma verdadeira obra de arte!

A frente da Notre Dame fica na Praça Jean-Paul II. A entrada possui 3 portais que foram construídos em épocas diferentes. São muito trabalhados, talhados na parede de pedra formando figuras maravilhosas. Uma verdadeira obra de arte!

Portal de Santa Ana - É o da direita e o mais antigo. Mostra a Virgem Maria com o menino Jesus, um rei ajoelhado (rei Luís VII) e na frente dele, um bispo (o idealizador da catedral, o bispo Maurice de Sully). Possui também cenas da vida de Santa Ana e São Joaquim (pais de Maria), fato que terá dado o nome ao portal. 

Portal da Virgem - É o portal da esquerda e remete simbolicamente à Anunciação. Estão também representados a morte, Cristo no ponto central, e anjos anunciando a ressurreição. 

Portal do Julgamento - É o portal central e representa a ressurreição dos mortos. Cristo está na posição de juíz revelando as chagas nas palmas das suas mãos.

             Portal do Julgamento.

 

               ** Foto do site Slideplayer.

 

O Telhado

O telhado da Notre-Dame é (era) todo de madeira. Para se ter uma bela vista dele, tem que subir 422 degraus por uma ecadaria beemm estreita. 

Lá no alto, na base da torre ficavam estátuas de bronze, represetando os 12 apóstolos e os quatro evangelistas. No meio delas, estava a estátua de São Tomas, protetor dos arquitetos, a única que ficava de costas pra cidade e virada para a torre (como se a admirasse!). E a estátua tem o rosto do próprio criador, Viollet-le-Duc, tipo um auto-retrato.

** As fotos das imagens no telhado eu as peguei da internet.

Apesar dos seus 90 metros totais de altura, a Notre Dame está londe de ser a maior catedral Gótica do mundo. A maior delas fica em Ulm, na Alemanha (161,5 metros de altura), e a segunda, em Colônia, também na Alemanha. À título de curiosidade, a Catedral da Sé, em São Paulo (em estilo neo-gótico) também é mais alta: tem 100 metros e é uma das cinco mais altas do mundo nesse estilo.

               Na ordem: Ulm, Colônia e a Sé de São Paulo.

 

Quimeras e Gárgulas

Outro elemento adicionado por Viollet-le-Duc à Notre Dame foram as quimerasgárgulas. Você sabe a diferença entre quimera e gárgula? 

As quimeras têm uma função prática. Elas são colocadas nas pontas de telhados e servem como calhas para que a água da chuva não escorra pelas paredes. E gárgula tem função decorativa. 

As quimeras e gárgulas de Notre Dame têm formas de monstros porque na época medieval, eles acreditavam que isso espantava os maus espíritos. Na verdade, toda Notre Dame da França tem, não só a de Paris.

 

Marco Zero da França

Na Place Jean-Paul II, praça que fica em frente à Notre-Dame, tem um pequeno círculo no chão feito de bronze. É o “Marco Zero da França”. Todas as distâncias do país são contabilizadas à partir dessa marca. Além de ser o marco zero da França inteira, marca também o centro exato da cidade de Paris.

             A lenda diz que quem pisa no marco zero, volta à Paris. Pra mim deu certo!

 

O Marco Zero é bem pequeno, e não fica exatamente no centro da praça, ele fica mais para a esquerda. Geralmennte as pessoas o procuram no centro da praça e não o encontram, rs. Então eu coloquei uma seta vermelha na foto abaixo mostrando onde ele fica. Eu mesma só notei o marco zero lá depois da minha 4ª vez em Paris! Affff

            O Marco Zero fica exatamente onde esse grupo está.

 

A Porta do Diabo

Dizem as lendas de Paris que... 

Durante a construção da Catedral de Notre-Dame no século 13, Biscornet – um jovem ferreiro muito talentoso – recebeu a tarefa de realizar os ornamentos em ferro forjado para as portas da catedral. Muito orgulhoso por ter sido o escolhido, ele apresentou desenhos tão maravilhosos e complexos, que o clero ficou impressionado. 

Com o tempo, Biscornet percebeu que o trabalho era muito difícil de ser executado por uma pessoa só. Ele recebeu ajuda, porém só trabalhavam durante a noite, e por isso, espalhou-se o boato de que seria uma criatura das trevas. 

Bisconet isolou-se completamente, cada vez mais obsecado em terminar sua obra-prima e os resultados foram surpreendentes. Assim que terminou, o rapaz desapareceu sem avisar. Depois disso, nunca mais foi visto. 

E assim, Biscornet foi lembrado como um diabo genial, criador de obras maravilhosas a partir do domínio do fogo (para forjar o ferro). Ele conseguiu criar as portas da catedral de Notre-Dame de Paris, decoradas com figuras em ferro forjado de uma beleza excepcional. 

Antes da inauguração da catedral, a porta foi benzida inúmeras vezes.

 

O Corcunda de Notre-Dame

Assista ao filme completo clicando aqui → www.youtube.com/watch?v=vcnT_ifUM9E

Em 1831, o escritor francês Victor Hugo publicou o livro “O Corcunda de Notre-Dame” com o intuito de conscientizar os franceses da necessidade de se conservar a catedral. 

No século 19, o estado de conservação da Notre Dame era tão ruim que as autoridades pensaram em demoli-la. A ideia era utilizar suas pedras para a construção de novas pontes na cidade. Esse crime contra o patrimônio histórico só não aconteceu graças à popularidade do romance de Victor Hugo, que foi traduzido para várias línguas e também virou filme. Um sucesso! 

O romance narra a história do amor puro e ingênuo do deformado sineiro da catedral, Quasimodo, pela bailarina cigana Esmeralda, que era desejada por Frollo, o padre da catedral. A Obra gira em torno de um homem adotado, deformado e manco, que enfrenta uma série de problemas por causa do amor pela cigana. 

A história se passa em 1482, e contém uma narrativa realista impressionante, especialmente nas descrições de Paris medieval e seu submundo. O enredo é melodramático e com muitas ironias. 

Na obra, Victor Hugo não se limita a descrever apenas a Catedral, mas ilustra historicamente a sociedade através dos contrastes dos seus personagens, que vai desde os pedintes e ciganos, ao rei, clero e nobreza. Havia em Paris muitos pobres e desabrigados. Ele cita também pessoas com deficiências, doentes e ladrões, considerados a escória da sociedade. 

Além de escritor, Victor Hugo era ativista pelos direitos humanos e tinha grande atuação política na França. Sua personalidade com certeza influenciou bastante nas idéias que colocaria no livro. 

O livro não tem a igreja como cenário por acaso. A construção do século 12 era uma síntese da revolução estética e filosófica que o autor tentava promover na época. Inspirado em Shakespeare, o romantismo de Hugo falava em unir o belo e o feio, o grotesco e o sublime. Algo que ecoa tanto na figura torta do corcunda Quasimodo como na arquitetura gótica da construção, que na época uma corrente fora de moda e quase marginal. 

Por causa da sua ideologia política, Victor Hugo teve que se exilar. Anos mais tarde, voltando a Paris, pôde enfim ver a sua querida Notre Dame restaurada. 

Uma Curiosidade: Um documento que está no museu Tate Modern, em Londres, revela um fato impressionante sobre o romance de Victor Hugo. Trata-se da autobiografia do escultor Henry Sibson, que foi contratado pelo governo francês para trabalhar na reparação da catedral de Notre Dame. Nesse texto, Sibson relata que, junto com ele, havia outro escultor contratado pelo governo, que era corcunda e solitário. O romance de Victor Hugo foi escrito no mesmo período em que Sibson e o escultor corcunda trabalhavam na catedral, em 1831. É uma coincidência ou se trata do verdadeiro Quasimodo? 

Victor Hugo também é autor de "Les Misérables".

 

Incêndio de 2019

             As melhores fotos da Notre-Dame são à distância. Essa foi a última foto que tirei dela antes do incêndio.

 

               15 de abril de 2019 - O teto da catedral estava em manutenção, rodeado por andaimes. O foco do incêndio foi em um desses andaimes. Dizem que foi um incêndio acidental, apesar das suspeitas de terrorismo.

 

             ** Todas as fotos do incêndio eu peguei na internet.

 

Apesar dos acontecimentos, a Notre-Dame ainda resiste e será reconstruída. Aí a gente percebe o quanto a vida é efêmera. Nós (e as maravilhas do mundo) um dia podemos estar aqui, mas no outro dia não. Quando acontece uma coisa como essa, penso em viajar cada vez mais, porque num piscar de olhos tudo pode mudar (ou acabar).

 

Leia também:

Tudo sobre Paris e seus Pontos Turísticos

Outras cidades e passeios pela França

    

Clique e acesse minhas Redes Sociais

    

     

    

    

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.

MMorei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.orei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.