Montréal - Parte 2

 

Complexo Olímpico

Para chegar no Complexo Olímpico é bem fácil. Pegamos o metrô e descemos na estação Pie-IX. Assim que saímos da estação, já deu para avistar parte do complexo. 

Complexo Olímpico Montréal Canadá com Lígia Maria Rocha Passos Blog da Ana Cassiano anacassiano.com.br

O Complexo Olímpico foi construído para as Olimpíadas de 1976 e possui várias atrações, como: o Estádio Olímpico, a Torre Inclinada, o Biodôme

 

Torre Inclinada

A principal atração do Complexo Olímpico é subir na Torre Inclinada. É a maior torre inclinada do mundo, com uma altura de 165 metros e inclinação de 45 graus. No alto dela tem um observatório com uma vista linda de 360° da cidade. 

A gente sobe por um funicular de vidro de 2 andares, que pode acomodar 76 passageiros de cada vez. É o único funicular do mundo que funciona sobre uma estrutura curvada, e que conta com um sistema hidráulico que permite que a cabine fique na horizontal durante toda a viagem.

Nesse momento da subida, optei em filmar ao invés de tirar fotos. Então nesse video mostro como é dentro do carrinho do funicular, a vista lá de cima e mostro um pouco do topo do observatório também. Assista ao video abaixo:

 

         Vila Olímpica e Estádio Olímpico.

 

        Biodôme.

 

         Um pouco da cidade de Montréal.

 

Lá em cima, tem um computador que fica fotografando os turistas e manda a foto por e-mail. Tem que fazer um cadastro, lá na hora mesmo. Atrás da gente, fica esse painel aí mostrando o Complexo Olímpico ao fundo.

 

Biodôme

Biodôme Complexo Olímpico Montréal Canadá Histórias de Viagens Blog da Ana Cassiano

Dentro do Complexo Olímpico foi criado o Biodôme, que é um lugar indoor que reproduz 5 ecossistemas diferentes da América, com vegetação e animais específicos de cada um, fazendo que os visitantes se sintam realmente nesses lugares. Os espaços são divididos em Floresta Tropical, Floresta de Bordo, Ilhas Sub-Antárticas, Costa de Labrador e Golfo de St Lawrance. Embora o espaço tenha alguns animais, o Biodôme não é um zoológico, ele tem apenas algumas espécies. Quando eu fui, estava fechado para manutenção, então eu não visitei por dentro. 

A praça que fica na frente do Biodôme é uma homenagem à grande ginasta romena Nadia Comaneci, porque ela foi a grande estrela das Olimpíadas de Montréal de 1976. Com apenas 14 anos, a atleta encantou o mundo e garantiu a primeira nota "10" da história da ginástica olímpica. Ela ainda conquistou mais seis notas máximas e terminou os Jogos com três medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze.

A praça que fica na frente do Biodôme é uma homenagem à grande ginasta romena Nadia Comaneci, porque ela foi a grande estrela das Olimpíadas de Montréal de 1976.

 

Jardim Botânico

O Jardim Botânico de Montréal fica bem na frente do Complexo Olímpico. Dá pra visitar os dois lugares no mesmo dia.

Procurando na internet por informações sobre o jardim botânico, encontrei várias fotos de esculturas de plantas maravilhosas, e achei que eu fosse encontrar isso lá quando eu fui. Mas não! As tais fotos eram de uma exposição de Mosaicultura que acontece de 3 em 3 anos, e acontece apenas entre os meses de maio e setembro. Se sua visita coincidir com a data dessa exposição, estará com sorte, porque deve ser muito bonito! 

Esse jardim de Montréal é um dos maiores jardins botânicos do mundo, só fica atrás do de Londres e Berlim. Foi fundado em 1931 por um homem religioso que também teve um grande interesse pela ciência e pela arte da botânica. A instituição é bem engajada com as causas ambientais. Desde sua fundação, estão entre algumas de suas missões, conservar, desenvolver e apresentar diversas coleções de plantas ao público, além de educar todos os seus visitantes sobre a importância da preservação ambiental. 

Jardim Botânico Blog da Ana Cassiano Montréal Canadá anacassiano.com.br Histórias de Viagens

Apesar de ter uma bilheteria logo na entrada, a visitação é gratuita. Só se paga para atrações à parte, cujas informações ficam expostas numa placa. 

A entrada gratuita é feita por esse portão à direita da bilheteria. Ali também se distribui mapas de todo o jardim. É bom pegar para se localizar melhor, porque o lugar é enorme!

Quando eu fui, já era primavera, mas estava tudo congelado! (em abril)

O escultor americano de renome internacional, Patrick Dougherty, foi convidado em 2017 para criar peças monumentais para o Jardim Botânico de Montréal. Sobre sua inspiração, ele revelou: “Às vezes eu imagino como seria andar dentro dos próprios arbustos e descobrir outro mundo, revisitar nosso passado de caça e coleta, reconectar com a Natureza em nosso mundo moderno e acelerado.” Então ele construiu peças inspiradas em nó celta e o que ele mesmo chamou de "loucura arquitetônica".

O Jardim Chinês é belíssimo. Foi inaugurado em 1991 numa parceria entre Montreal e Shanghai. Nele encontramos os quatro principais elementos de um jardim chinês - plantas, água, pedras e arquitetura. 

Inaugurado em 1988, o Jardim japonês é outra área impressionante, inspirado na arte tradicional do paisagismo japonês.

Como o centro olímpico fica na frente do Jardim Botânico, a Torre Inclinada dá para ser vista de vários ângulos.

 

Parque Jean-Drapeau (Ilha de Sainte-Hélène)

O Parque Jean-Drapeau ocupa duas ilhas no Rio Saint-Laurent, a ilha Saint-Hélène e a ilha Notre-Dame, e o fato de sua localização ser no meio de um rio, por si só, já o torna bastante especial. O parque é enorme e tem diversos pontos de interesse, a começar por sua área verde, que é ótima para caminhar e curtir um dia ao ar livre. 

       ** Foto da Internet

 

Entre as atrações desse parque, que oferece uma vista linda para Montreal, estão: o circuito Gilles-Villeneuve, onde acontece a F1 do Canadá, o Cassino de Montreal, o parque de diversões La Ronde, a Biosphere, além de espaços destinados à arte, praias públicas, áreas para pedalar ou andar de patins. 

Há uma estação de metrô no parque, mas como as dimensões das ilhas são grandes para conhecê-las caminhando, a dica é alugar uma bicicleta e explorar seu arredores sob duas rodas. O circuito utilizado na Fórmula 1 é muito usado por ciclistas. Carros são proibidos em uma grande porção das ilhas Saint-Hélène e Notre-Dame, por isso não espere circular por lá com um carro alugado ou taxi. Há estacionamento onde você pode estacionar seu veículo e então alugar uma bike para explorar seu arredores. 

 

Biosphère

Biosphère Montréal Canadá Blog da Ana Cassiano Histórias de Viagens

A Biosphère de Montréal fica no Parque Jean-Drapeau. Funciona como um museu interativo do meio ambiente, mostrando os ecossistemas de água das regiões dos Grandes Lagos e do Rio Saint Lawrence. Oferece atividades interativas e apresenta exposições sobre as principais questões ambientais relacionadas à água, mudanças climáticas, ar, ecotecnologias e desenvolvimento sustentável. Foi inaugurado em 1995 desenhado por Éric Gauthier. Essa bolha gigante mede mais de 62 metros de altura e 76 metros de diâmetro. Tem uma estrutura em grade toda feita de tubos de aço de três polegadas soldados nas articulações. E lá dentro funciona o museu.

 

Habitat '67

É um complexo de apartamentos residenciais que foi construído por ocasião da Exposição Mundial de 1967, cujo lema era "Homem e seu mundo". O complexo foi construído em um local pitoresco na Cité du Havre, uma península no rio São Lourenço, perto do Porto Velho de Montreal. 

Habitat '67 Montréal Canada Blog da Ana Cassiano anacassiano.com.br

O conceito de Habitat '67 surgiu pela tese de mestrado do arquiteto Moshe Safdie para a Universidade McGill. O design de Safdie foi baseado nas cidades da encosta medieval no Mediterrâneo e foi concebido como uma visão da vida urbana no futuro. Seu design foi uma reação contra as torres de aço e vidro estéril que começaram a se tornar populares nas áreas urbanas. O arquiteto queria fornecer a diversidade e a individualidade da habitação privada em um contexto urbano. 

Habitat '67 é composto por mais de trezentos módulos de concreto pré-fabricados, que são empilhados um ao outro, aparentemente ao acaso, como se o complexo crescesse organicamente. Os apartamentos estão conectados entre si por passarelas, escadas e elevadores. Os telhados dos apartamentos são usados ​​como jardins e terraços para os apartamentos de cima. 

Hoje os apartamentos são muito procurados e celebridades vivem aqui. Habitat '67 é uma residência privada e não pode ser visitada, mas vale a pena pelo menos passar na frente, porque foi um marco na arquitetura moderna.

 

Oratório de Saint Joseph

Oratório de Saint Joseph Montréal Canada Blog da Ana Cassiano anacassiano.com.br

É a maior igreja do Canadá! Foi construída em 1900 e é considerada um dos principais patrimônios do país. 

Antes de chegar na basílica, o caminho é bem legal, porque entre a estação de metrô e a basílica, a gente passa por um bairro muito bonitinho de Montréal. 

O Oratoire St. Joseph foi desenhado pelos arquitetos Dalbé Viau e Alphonse Venne e foi construído no estilo renascentista italiano. A cúpula de cobre da basílica, que é o ponto mais alto de Montreal, é a segunda maior do gênero no mundo, menor somente que a Basílica de São Pedro em Roma. A basílica pode acomodar cerca de três mil pessoas. 

A cúpula fica à 236 metros acima do nível do mar! Os visitantes devem escalar mais de 280 passos para chegar à entrada principal. No entanto, há uma escada separada de 99 passos que é reservada para peregrinos que desejam subir de joelhos. 

Dentro da basílica tem vários andares e possui até uma escada rolante para ajudar os fiéis a chegarem até eles. São várias etapas de subida e entre elas, a gente encontra patamares de observação. Uma é de lojinhas e restaurante. A outra é um terraço enorme com uma vista incrível. 

Finalmente no final da subida, chegamos ao interior do Oratório de Saint Joseph, que é muito bonito e traz uma paz inexplicável. Lá dentro tem vários altares.

A história dessa basílica: O Irmão André entrou no seminário em Montreal em 1870. Era um religioso muito dedicado, foi primeiro nomeado para o cargo de porteiro do Colégio Notre-Dame da cidade. Em pouco tempo, ele começou a fazer muito mais do que varrer os pisos, cuidando dos doentes e solitários e tornando-se bem conhecido em toda a comunidade católica por sua atitude. Em 1904, ele construiu uma pequena capela perto da faculdade, onde ele poderia receber os necessitados. Ele implorou-lhes que orassem a São José, que ouvisse seus apelos e abordasse suas doenças e tristeza. Em pouco tempo, o Irmão André e os peregrinos que ele atraiu superaram a pequena capela, então uma igreja maior foi construída em 1917. Logo, também tornou-se pequena, então em 1924 começou a construção de uma grande basílica. O Irmão André pediu que a basílica fosse nomeada por São José (Sint Joseph), a quem ele atribui todos os milagres que ele realizou. 

A igreja católica romana reconheceu os milagres do irmão André, concedendo-lhe beatificação em 1982. Ele foi declarado santo em 2010 pelo Papa Bento XVI. O coração do Irmão André fica em um relicário no museu da basílica. Ele pediu que fosse mantido na basílica de modo a proteger a construção e as pessoas que ali entram. 

Ao lado da basílica tem uma pequena capela em homenagem à Santo André. Uma parede inteira está coberta de muletas e outros itens deixados por aqueles que fizeram a subida à basílica e foram curados.

 

** Esse post é uma continuação. Para ler Montréal Parte 1 clique AQUI

 

Leia também:

Montréal Parte 1

Toronto

Informações Úteis sobre o Canadá

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.

MMorei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.orei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.