Passeio de Barco à Maya Bay - Koh Phi Phi Leh Tailândia

Choose the Language ↓ Escolha o Idioma

EnglishFrenchGermanSpainItalianDutch
RussianPortugueseJapaneseKoreanArabicChinese Simplified
 
 

 

A Praia de Leonardo Di Caprio

Maya Bay fica no arquipélago de Koh Phi Phi, bem ao sul da Tailândia.

A praia de Maya Bay ficou famosa por causa do filme "The Beach" estrelado por Leonardo Di Caprio no ano 2000. Depois disso, a praia virou destino disputado de turistas que viajam para a Tailândia. Assista ao trailer do filme clique AQUI

A ilha, que até então era intocada, passou a receber milhares de turistas por causa do filme, o que causou um grave choque ambiental. Então o governo da Tailândia tomou uma decisão certeira: Para o bem estar do ecossistema local, ninguém mais pode pisar na ilha!

Então, Atenção: As visitas à Maya Bay estão proibidas desde 2018. O fechamento da ilha é por tempo indeterminado, à fim de recuperar o ecossistema da região.

Hoje em dia, ainda existem os passeios de barco que circundam a ilha. Mas eles tem que ancorar afastados das praias. As pessoas podem mergulhar e andar de caiaque, mas desembarcar na ilha não pode mais! 

 

Arquipélago de Koh Phi Phi

O arquipélago de Koh Phi Phi faz parte de Krabi, cidade mais próxima que fica no continente. As principais ilhas são: 

  • Koh Phi Phi Don: É a ilha maior, onde ficam os hotéis, restaurantes, bares, lojas, comércio e toda a estrutura turística do arquipélago. 

  • Koh Phi Phi Leh: É a ilha menor, onde fica a praia de Maya Bay e outras atrações turísticas famosas. A ilha é uma reserva ambiental. Não tem nada! Só a (deslumbrante) natureza primitiva mesmo. 

Do pier de Ton Sai Bay (Koh Phi Phi Don) saem barcos com turistas que fazem o sensacional roteiro pela região, passando por vários pontos turísticos naturais até chegar na famosa praia de Maya Bay.

 

Para ler tudo sobre Koh Phi Phi clique AQUI

 

Qual embarcação escolher

A gente pode fazer o passeio de duas maneiras: pegando um barco de cauda longa (Long Tail), aquele bem turístico com flores no bico, ou um barco maior que cabem várias pessoas. Eu fiz esse passeio 2 vezes, só para passar pelas duas experiências. 

Os dois tipos de barcos fazem o mesmo trajeto, visitando os mesmos pontos turísticos. Só que um volta ao pier no final da tarde, na hora do pôr do sol, e o outro é um "hotel" onde passamos a noite e voltamos para Koh Phi Phi no dia seguinte. Fiz os dois passeios em dias diferentes, só pra saber como é.

O barco de cauda longa custa 600 bahts por pessoas (20 dólares) e cabem cerca de 10 turistas. A gente trata com o barqueiro na hora. Ficam vários na praia, à medida que vão enchendo de turistas, vão saindo. Quase todos saem ao mesmo tempo. 

Esse barco balança muito em alto mar. Deu medo quando pegamos ondas maiores. Mas tinha colete salva-vidas para todos, rs. Pelo menos isso né! Nesse barco eles não oferecem nada para vender. Tem que levar lanche e água, já que é um passeio de um dia inteiro.

O barco maior tem mais estrutura. Tem banheiros e uma lanchonete que vende comidinhas e bebidas à bordo. Nele cabe mais gente e o preço foi mais caro 3.000 bahts (100 dólares por pessoa) porque pernoitava na ilha. (** hoje em dia não pode dormir mais lá, então o barco volta ao pier às 21 horas. E o preço então deve estar bem mais barato do que eu paguei na época). 

Chamado de Plankton Sunset Tour esse barco é operado pela empresa Maya Bay Tours. O link é esse →Clique AQUI

Como eu já disse, independente do tipo de barco, os dois fazem o mesmo trajeto, visitando os mesmos pontos turísticos. Então vamos à eles...

 

Monkey Beach

A primeira parada é em uma praia infestada de macacos. Eles nadam, pedem comida e até invadem os barcos. A parada ali é curta, só pra gente brincar um pouco com os bichinhos.

 

Viking Cave

A segunda parada (bem rápida, somente para fotos) é a Caverna Viking, que tem esse nome por causa dos desenhos de antigas embarcações viking em seu interior. A entrada não é permitida. Existem teorias de que um grupo de marinheiros chineses há uns dois mil anos atrás ficou preso durante uma tempestade no interior da caverna. Provavelmente foram eles que fizeram os desenhos. 

Hoje, a caverna é usada pelos moradores da ilha para a extração de ninhos de swiftlet, uma espécie de pássaro encontrado no Sudeste Asiático, cujos ninhos são feitos de saliva solidificada. Esses ninhos são vendidos como quitute, sendo um dos alimentos de origem animal mais caro do mundo. Um quilo pode chegar a 2,500 dólares! Por fora da gruta é possível ver andaimes feitos de bambu e cordas, que são utilizados para a colheita dos ninhos.

 

Pileh Lagoon

Aqui o barco dá uma parada maior. A baía Pileh é um lugar muito especial. Aparece nos cartões postais da Tailândia por causa das formações rochosas peculiares e a cor da água. Esse é um dos pontos altos do passeio.

É um lugar perfeito para nadar, mergulhar com snorkel e andar de caiaque. O barco maior oferece alguns caiaques e máscaras de snorkel para emprestar. Já os barcos mais simples (long tails) não oferecem nada, rs. Eu vivi as duas experiências.

A sensação é que estávamos mergulhando num aquário! Os peixes nadam entre nós na maior naturalidade. No fundo dos corais haviam alguns tubarões negros filhotes. Esses não atacam. Foi tranquilo. 

 

Loh Samah Bay

Loh Samah Bay é a “parte de trás” da praia Maya Bay. É uma baía de águas revoltas, sem areia e cheia de recifes. É um lugar bem bonito com uma ilhota redondinha no meio. 

Quando fui de Long Tail, o acesso à Maya Bay foi por ali. Tem que caminhar pelos recifes com as ondas batendo nas pernas, achei bem tenso e perigoso. Depois escalamos por uma escada de corda improvisada para ter acesso ao caminho por meio da mata que chega à Maya Bay por trás. 

Em Maya Bay foi necessário pagar uma taxa de 400 bahts (13 dólares) por pessoa para conhecer a ilha. Nosso barqueiro recolheu o dinheiro na hora e se encarregou de fazer o pagamento. No passeio do barco maior, essa taxa já estava incluída no preço do pacote. 

Ao atravessar a ilha de um lado para outro, vemos banheiros públicos, casas dos guardas ambientais e uma pequena lanchonete (bem simples e quase não tinha nada para vender). Por isso que eu digo sempre, nesses passeios tem que levar lanche! Mesmo assim tem muita gente que não leva, afff.

Por todo caminho há placas indicando uma rota de fuga em caso de Tsunami. O último que aconteceu na Tailândia foi em 2004 e foi tão violento que quase varreu o país do mapa.

 

Maya Bay

Caminhando pela mata, entrando por trás da ilha, finalmente chegamos à Maya Bay! O lugar é lindo, com seus paredões de rocha cercando a pequena praia. Havia muita gente, mas nada que fosse insuportável. Deu pra curtir o mar numa boa.

É claro que nada se compara ao dia em que dormimos à bordo do barco ancorado na baía e tivemos a ilha só para nós! Sobre essa experiência maravilhosa eu conto em outro post. O dia que dormi em Maya Bay, clique AQUI para ler

 

O Pôr-do-Sol

Depois de curtir bastante a praia, voltamos pela mata até chegar de novo na parte de trás da ilha, onde o nosso barqueiro estava esperando por nós. A volta até Koh Phi Phi Don (direto sem as paradas que fizemos na ida) dura cerca de 25 minutos.

A gente vai curtindo o pôr-do-sol que é maravilhoso, mortos de cansados, afinal o dia começou bem cedo. Nadamos, mergulhamos, caminhamos, fizemos bastante coisa. Mas com aquele sunset lindo, sentimos uma grande felicidade por ter vivido esse dia tão especial.

   O filho do barqueiro nos acompanhou por toda a viagem.

 

   Chegando no Pier de Ton Sai Beach.

 

    Olha a lua!

 

Chegamos no hotel, tomamos um belo banho e fomos jantar. Estávamos famintos! E olha que delícia para terminar um dia tão especial como aquele: Arroz frito com castanhas servido no abacaxi! (Nessa viagem, eu já estava ensaiando à virar vegetariana). 

Jantamos num restaurante pé na areia. Eu nunca vou esquecer desse dia!

 

Leia também:

Maya Bay, "A Praia" de Leonardo Di Caprio

Mergulho com Plânctons Fluorescentes

Koh Phi Phi

Outras cidades e passeios pela Tailândia

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.

MMorei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.orei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.