Castelo de Edimburgo - Escócia

Choose the Language ↓ Escolha o Idioma

EnglishFrenchGermanSpainItalianDutch
RussianPortugueseJapaneseKoreanArabicChinese Simplified
 

Castelo de Edimburgo Princes Street anacassiano Como é a visitação pelo castelo de Edimburgo Edinburgh

(Preço: £19.50 por pessoa) A visitação dura cerca de 2 horas e meiaSite oficial →www.edinburghcastle.scot/

O Castelo de Edimburgo é uma fortaleza construída no alto de uma colina, e por isso ele se destaca na paisagem da cidade. Ele guarda mais de 1400 anos de história. Foi lá que Edimburgo nasceu. Ele é o símbolo da nação escocesa.  

Para chegar ao castelo, a gente tem que subir à pé pela avenida Royal Mile em direção ao topo da colina, até chegar num pátio conhecido como “Castle Esplanade”, em frente ao portão Gatehouse.

Castelo de Edimburgo Edinburgh Castle Esplanade Gatehouse anacassiano Entrada da visitação

Logo depois do portão Gatehouse, ficam a bilheteria, banheiros, centro de informações e audio guides. As filas  para comprar ingresso costumam ser bem grandes. Por isso, se puder comprar com antecedência pela internet é melhor.

Logo depois da bilheteria, a gente atravessa um corredor de pedras bem legal, em direção ao portão Portcullis Gate. A sensação de estar entrando num castelo medieval de verdade é incrível.

 

Argyle Battery / O pátio dos canhões

Logo depois de atravessar o portão Portcullis Gate, a gente encontra um terraço enorme com vários canhões. Desse terraço tem-se uma vista bem legal de Edimburgo. Na foto abaixo, a Lang Stairs e a Argyle Tower.

O castelo que se vê hoje já sofreu muitas transformações e reconstruções ao longo dos séculos, e foi um dos castelos preferidos dos reis da Escócia até a união com a coroa inglesa, em 1603.

Ana Cassiano castelo de edimburgo no pátio terraço do Argyle Battery Edinburgh, Melhores atrações da Escócia Edimburg

Acredita-se que a ocupação do lugar começou à partir do século 12 d.C. Durante as Guerras da Independência da Escócia (séculos 13 e 14), ele mudou de mãos muitas vezes. Em 1314, foi recuperado pelos ingleses. A Rainha Maria da Escócia deu a luz ao seu único filho no castelo, em 1566. Ele virou o Rei da Escócia e Inglaterra anos depois. Aliás, a história de vida da Rainha Mary da Escócia é bem intrigante. Vale à pena ler sobre ela. O link está no final desse post.

A bateria de canhões que fica exposta no terraço foi usada para defesa do castelo durante séculos.

Na foto abaixo: Esse é o pátio Argyle Battery visto do alto. Essa construção bem na frente, com casinhas e portinhas, é o restaurante Redcoat Cafe. Ótimo! Recomendo.

 

One O'Clock Gun

No terraço da Argyle Battery, ao lado do restaurante Redcoat Café, fica o canhão One O'Clock Gun. Ele data de 1861. O desparo desse canhão permitia que navios acertassem seus relógios antes de partirem para alto mar. Até hoje o canhão disparada às 13h todos os dias, exceto aos domingos, no dia de Natal ou na sexta-feira. A gente escuta não só do castelo, mas de qualquer parte da cidade.

O que é One O'Clock Gun no Castelo de Edimburgo Edinburgh Escócia anacassiano

 

The Crown Square 

Essa é a parte da visitação que guarda os tesouros mais importantes do castelo, que são as Jóias da Realeza e a Pedra do Destino. A Crown Square é uma praça bem bonita que fica em frente à Torre do Relógio.

 

As Jóias da Realeza

O Castelo de Edimburgo é famoso por abrigar as “Honras da Escócia”(The Honors of Scotland), um conjunto de Jóias da Realeza composto pela Coroa, a Espada do Estado e o Cetro, um dos conjuntos de objetos reais mais antigos de toda a Europa. Essa área do palácio não pode ser fotografada ou filmada. Então eu peguei essa foto da internet.

As jóias ficam dentro de uma vitrine de vidro. Entre as jóias estão o cetro que foi dado a James IV pelo papa Alexandre VI em 1494; e a Coroa utilizada na coroação da esposa de James V, Marie de Guise (a mãe da Rainha Mary), em 1540.

Curiosidade: Mary Stuart se tornou rainha da Escócia quando ainda não tinha completado nem uma semana de vida. Em 1542, quando tinha apenas 6 dias de nascida, seu pai, o rei James V, morreu, deixando seu reino para a filha bebê. Com 6 meses de vida, a garota foi coroada rainha. Para a ocasião, foi confeccionada uma coroa proporcional ao tamanho de Mary. Atualmente, é a coroa mais antiga do Reino Unido. A peça também está exposta no Castelo de Edimburgo e pode ser apreciada por nós. 

Entre 1651 e 1660, durante as guerras entre Escócia e Inglaterra, as Jóias da Realeza foram tiradas do castelo e escondidas. Em 1707, após o Tratado de União das Coroas, elas voltaram a ser expostas. O Tratado de União das Coroas foi o surgimento da "Grã-Betanha", com a junção da Inglaterra e da Escócia, formando um mesmo reino.

 

A Pedra do Destino

Outra coisa famosa que fica no Castelo de Edimburgo é a Pedra do Destino que é a pedra onde os monarcas do Reino Unido sentam nela para serem coroados (até hoje!). 

A história sobre a Pedra do Destino é bem interessante. Ela é um poderoso e antigo símbolo da monarquia escocesa, testemunhando a coroação de seus reis por centenas de anos. Segunda a lenda, foi utilizada por Jacó quando ele sonhou com a Escada de Jacó. A pedra é vista como um objeto sagrado. Acredita-se que foi trazido primeiro para a Irlanda, depois para a Escócia. 

Em 1296, o rei Edward I da Inglaterra pegou a pedra da vila de Scone, localizada perto da cidade escocesa de Perth, e a construiu em seu próprio trono. Desde então, a pedra tem sido usada nas cerimônias de coroação para os monarcas da Inglaterra e Escócia e depois para toda a Grã-Bretanha. 

    A Pedra do Destino é colocada embaixo do trono da coroação. 

 

Como as cerimônias de coroação de um novo monarca são feitas na Abadia de Westminster em Londres, a pedra costumava ficar lá, juntamente com a cadeira de coração. Curiosamente, em 1950, quatro estudantes escoceses conseguiram roubar a pedra e levar até a porta da Abadia de Arbroath, na Escócia, a cerca de 800 km de distância. Mas 1996, a Pedra do Destino foi devolvida à Escócia e agora fica protegida e exposta no Castelo de Edimburgo.
 
A pedra só deixará a Escócia novamente quando houver uma nova coração na Abadia de Westminster (quanto a Rainha Elizabeth morrer) e será colocada no espaço na parte inferior da cadeira de coroação para a cerimônia do próximo rei ou rainha. 

 

The Great Hall

O Great Hall (Grande Salão) foi concluído em 1511 a pedido do rei James IV (avô da Rainha Mary). É um belo salão vermelho que possui um telhado de madeira escura com grandes vigas. As paredes são adornadas com espadas, lanças e roupas de cavaleiros medievais. 
 
Ana Cassiano visitação pelo castelo de Edimburgo The Great Hall, O Grande Salão do Castelo de Edimburgo anacassiano.com.br
 
No entanto, o rei James IV teve pouco tempo para desfrutar do local, já que ele foi morto apenas dois anos mais tarde na Batalha de Flodden. Posteriormente, o salão se tornou um quartel. 
 

 

O Palácio Real

Vários acontecimentos históricos ocorreram nas dependências do Palácio Real, esse prédio que fica dentro do Castelo de Edimburgo. Mas sem dúvida, o acontecimento mais importante foi o nascimento de James VI, o único filho da Rainha Mary, em 1566. Ainda bebê, ele se tornou rei, depois de Mary ter sido obrigada a renunciar ao trono escocês. Quando a rainha da Inglaterra (Elizabeth I) faleceu, o trono inglês ficou para James VI, que se tornou James I da Inglaterra, dando início à dinastia Stuart. 

Em 1617, James ompletou 50 anos de idade e voltou ao castelo para visitar seu local de nascimento. Para a ocasião, essa ala do palácio foi totalmente reformada e redecorada.  

  James VI nasceu nesse pequeno cômodo, depois de um parto bem difícil.

  Sobre a lareira do quarto de nascimento de James, fica uma foto dele já adulto, aos 37 anos quando se tornou Rei da Inglaterra em 1603.

 

O Palácio Real é ricamente decorado de acordo com as exigências de reis e rainhas que viveram ali ao longo da história. Andar pelas suas salas é impressionante e muito agradável.

 

Scottish National War Memorial

Ainda no pátio da Crown Square, fica o  prédio do Scottish National War Memorial que homenageia os mortos das duas guerras mundiais e das campanhas militares desde 1945. Os melhores artistas do país contribuíram para criar uma obra de significância arquitetônica e artística no local. 

Esculturas e vitrais fornecem representações de cenas da Primeira Guerra Mundial. Outras obras simbolizam coragem, paz, justiça e a sobrevivência do espírito, enquanto figuras de animais representam os vícios e virtudes. 

 

St Margaret's Chapel

A Capela St Margaret foi construída no século 12 e é considerado o edifício mais antigo da cidade de Edimburgo. Foi construída por David I e dedicada à sua mãe, a rainha Margaret. 

    Pátio em frente à capela.

 

Margaret era membro da família real inglesa que fugiu da invasão normanda e se casou com Malcolm III. Ela praticou muitos atos de caridade e foi canonizada pelo papa Inocêncio IV em 1250. 

     Minha filha na porta da capela St Margaret.

 

O Mons Meg 

Em frente à Capela de St Margaret fica o canhão Mons Meg. 

Capaz de arremessar bolas de 150 kg por 3,2 km, estava na vanguarda da tecnologia militar da época. Até hoje, ele é considerado um dos maiores canhões do mundo por calibre (20 polegadas). Foi construído em 1449 a pedido de Felipe, o duque de Borgonha, e enviado a James II, como um presente para o rei, em 1454. 

Dá até pra sentar nas balas bolas de canhão da Mons Meg do Castelo de Edimburgo Ana Cassiano Blog da Ana anacassiano

O canhão foi aposentado em 1550, após anos sendo utilizado em diversos conflitos. Em 1558, ele disparou no Royal Botanic Garden em Edimburgo, para celebrar o casamento da Rainha Mary. 

O canhão permaneceu no Castelo de Edimburgo até 1754, quando foi levado para a Torre de Londres, onde ficam as jóias da Coroa inglesa. Depois de 75 anos na Inglaterra, Mons Meg fez um retorno triunfal ao Castelo de Edimburgo em 1829, escoltado por cavalaria e infantaria. 

      Na língua inglesa, o canhão é tratado como ELA, e chamado de "Old Lady".

 

  Daqui desse ponto da visitação, podemos ver do alto o Cemitério de Cães, cheio de sepulturas de cachorros dos soldados que já serviram e viveram no castelo.

 

Scottish National War Museum 

O Museu Nacional de Guerra é um prédio que contém uma grande quantidade de materiais que vão desde cartas de origem de campanhas estrangeiras até roupas de guerra química. O Scottish National War Museum está alojado num antigo armazém de material bélico. Foi construído em 1700 e depois usado como hospital militar.

Estátua equestre da Scottish National War Museum no Castelo de Edimburgo Escócia anacassiano.com.br Blog da Ana Cassiano Roteiro de turismo

Inaugurado em 1933, o museu possui uma grande coleção que inclui muitos artefatos usados pelas forças escocesas ao longo dos séculos, além de pinturas e uma biblioteca de pesquisa. É um prédio muito bonito por dentro e por fora. Do terraço também tem-se um bela vista da cidade de Edimburgo lá embaixo.

 

Uma Dica:

Tem muita coisa na Escócia para visitar, e geralmente as atrações são caras. Então é mais vantagem comprar o ticket que dá direito a entrar em vários castelos e outros pontos turísticos também. Sai mais barato. Comprei o "Historic Scotland Explorer Pass". Pagamos 60 libras por pessoa, com direito a usar o passe por 14 dias em toda a Escócia. O passaporte vem com uma relação dos lugares que podemos entrar com ele, e tem bastante lugar. Eu recomendo.

Historic Scotland Explore Pass Blog da Ana Cassiano Viagem pela Escócia pagando mais barato nas atrações castelos anacassiano.com.br

 

Leia Também:

A História de Mary Stuart, a Rainha da Escócia

Edimburgo e seus Pontos Turísticos

Outras cidades e passeios pela Escócia

Nossa Viagem Completa pela Escócia

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.

MMorei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.orei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.