Mont Saint Michel - França

Choose the Language ↓ Escolha o Idioma

EnglishFrenchGermanSpainItalianDutch
RussianPortugueseJapaneseKoreanArabicChinese Simplified
 
 

 

O Monte Saint Michel é uma ilha rochosa na foz do Rio Couesnon, que desemboca no Canal da Mancha, na região Normandia da França.

É um monumento que está na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1979. É o terceiro local turístico mais visitado da França, depois da Torre Eiffel e do Palácio de Versalhes. Então dá pra imaginar que é um lugar cheio de gente né! E olha que eu fui no inverno (baixa temporada). Imagina isso aqui no verão?

Assista ao video abaixo:

 

Hospedagem

Muita gente faz bate-volta partindo de Paris. É longe - 400 Km - (4 horas e meia de viagem! E depois tem o mesmo trajeto para voltar!!!) mas há muitas agências de turismo que oferecem esse passeio, saindo bem cedinho de Paris e voltandono final da noite.

Mas nós programamos para nos hospedar nas redondezas do Mont Saint Michel, o que foi maravilhoso e inesquecível! Assim, pudemos curtir o lugar tanto à noite quanto de dia, sem a pressa que é do tempo determinado pelas agências de turismo.

O Mont Saint Michel é particularmente mágico à noite, especialmente quando as marés cobrem os arredores do monte, tornando-o uma ilha. E isso só dá pra ver à noite, quando a maré sobe. Pernoitando por lá, também podemos apreciar a ilha iluminada, que é uma beleza à parte.

Tem vários hotéis legais ao longo da rodovia 0275. Vale à pena pesquisar. Nós ficamos hospedados no Hôtel VertPara ver clique AQUI

 

As Marés

A região do Monte Saint Michel é palco das maiores marés da Europa continental.

  Fotos tiradas do alto do Monte.

O monte era ligado ao continente através de um istmo natural que era coberto pelas marés altas. Ao longo dos séculos a planície alagável em torno foi sendo drenada para criação de pastagens, reduzindo a distância do rochedo à terra, e o Rio Couesnon foi canalizado, diminuindo seu aporte de água e acelerando o assoreamento da baía. Em 1879 o istmo foi reforçado e tornou-se uma passagem seca definitiva. 

Em 2006 o governo francês anunciou um projeto para tornar novamente o monte uma ilha com a construção de barragens. Depois de anos de trabalho, desde 2013 o Mont Saint-Michel encontrou seu caráter de ilha. A primeira vez depois de 130 anos!

E com isso, quando a maré sobe, o morro fica ilhado! À noite, quem saiu saiu. Quem não saiu, tem que dormir por lá.

 

Centro de Visitantes

Os visitantes são recebidos em um Centro de Informações Turísticas que fica nas imediações de uma parada de ônibus. Dali, a gente atravessa a passarela à pé até ao Mont Saint-Michel. 

Como o estacionamento é pequeno, existe um outro mais distante, a cerca de 2,5 Km (Preço: 12,50 Euros) perto de um aglomerado de hotéis. Lá há mais vagas para estacionar, e o ônibus Le Passeur passa com frequência recolhendo os hóspedes e os clientes do estacionamento, levando-os até o Monte Saint Michel.

A entrada no Mont Saint-Michel É GRÁTIS! Só paga para visitar a abadia (que fica no topo) e os museus. Tudo fica 18 Euros por pessoa mais ou menos. Compre os ingressos lá mesmo na hora. Vou falar dos museus daqui a pouco.

Site Oficial do Mont Saint Michel →https://www.ot-montsaintmichel.com/

 

A História

A história do monte Saint-Michel começou no ano de 708, quando o arcanjo Miguel apareceu em sonho para Saint Aubert, bispo de Avranches, e pediu que ele construísse um santuário em seu nome. 

No século 10, uma comunidade de monges beneditinos instalou-se na ilha e a primeira igreja foi construída. Com isso, uma pequena vila começou a surgir aos pés do monte, desenvolvida para receber os peregrinos.

Durante a Guerra dos Cem Anos (entre a França e a Inglaterra), o Monte Saint-Michel foi uma fortaleza invencível, resistindo a todas as tentativas inglesas de tomá-la e tornando-se o símbolo da identidade nacional francesa. Após a dissolução da ordens religiosas ditadas pela Revolução Francesa em 1789, o Monte Saint Michel foi usado como prisão até 1863.

 

Omelete de Mère Poulard

No Monte Saint Michel tem restaurantes que são considerados caros, devido a lei da oferta e procura. É muita gente para pouco restaurante. Então a comida é cara. Sugiro levar um lanchinho para comer durante o passeio. Mas no Monte há uma típica e turística atração gastronômica que a gente tem que provar, que é a omelete de Mère Poulard. 

O restaurante era uma antiga pensão no Mont Saint Michel aberta em 1888 por uma cozinheira (Mère Poulard) e seu marido. Lá ela servia omeletes feitas em forno à lenha que virou uma especialidade do lugar.

  O restaurante fica logo na entrada do Mont Saint Michel.

DICA: Fora do Monte, nos arredores, existem alguns restaurantes. Se não quiser almoçar por lá por causa do preço, coma nos arredores e já chegue lá alimentado.

 

Grand Rue

Depois que a gente atravessa os portões do Mont-Saint-Michel, a gente começa a visita pela rua principal, que é cheia de lojas de souvenirs e alguns restaurantes. No monte tem hotéis também. A vila é linda, com ruas estreitas e arquitetura típica francesa medieval.

  Igreja de Sint Pierre.

 

A subida até a Abadia

A subida é longa e íngreme. Tem muitas escadas pelo caminho. A gente tem que subir com calma e parando para descansar, enquanto apreciamos a vista. À medida que vamos subindo, a vista da Baía vai ficando mais reveladora e linda. 

 

A Abadia

O Monte Saint Michel continua sendo até hoje um lugar de peregrinação cristã. A abadia é uma obra-prima da arquitetura medieval, e está localizada no topo do Monte, com uma bela estátua de São Miguel colocada a 170 metros de altura. 

   Imagem dourada de São Miguel que fica na ponta da agulha mais alta do telhado. (Foto da Internet)

 

Com técnica, audácia e ambição espiritual, a abadia representa a arquitetura religiosa medieval, com suas formas elegantes da arte gótica extravagante.

A abadia é enorme. Podemos visitá-lá por completo e ver como era a vida dos monges ao longo dos séculos. Caminhamos pelos espaços dedicados à vida cotidiana (refeitório e claustro), à vida religiosa (igreja da abadia, capelas, criptas) e na recepção dos peregrinos (quarto de hóspedes).

A recompensa de tanto esforço depois de subir tantos degraus é a vista do terraço e do alto das muralhas. 

Lá de cima a gente vê grupos de pessoas explorando o entorno da ilha à pé pela areia. Mas tem que ser com guia local, por causa do perigo de areia movediça.

  Olha as pessoas lá embaixo!

 

Os Museus

Dentro do Monte Saint Michel tem 4 museus. O Museu Histórico é o mais interessante. Nele tem muita informação sobre a história do Monte. A Casa Du Guesclin é “legalzinha“. É uma casa antiga com móveis de época. Já o Museu do Mar e o L’Archéoscope eu não gostei muito. É uma projeção audiovisual (com luz e som) meio fraquinha, não me empolgou não.

 

Leia também:

Outras cidades e passeios pela França

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.

MMorei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.orei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.