↓ Choose the Language ↓ 

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

LONDRES

Já de cara, vou começar esse post avisando que é raro (raríssimo!) fazer sol em Londres. O tempo por lá é sempre nublado. Se vc conseguir pegar sol em Londres, sinta-se uma pessoa de extrema sorte!!

Londres é uma cidade intrigante. Chegamos à noite e olhávamos tudo espantados. Nosso primeiro impacto foi de medo. Ruas muito estreitas e escuras, prédios muito altos, parecia que a cidade ia nos engolir. O taxista que nos levou até o hotel dirigia muito rápido. O volante dos carros é do lado direito. O sentido das ruas também é invertido, os sinais de trânsito e placas também são muito diferentes, e tudo aquilo nos deixou meio transtornados a princípio. Os taxis são carros antigos, pretos, de décadas atrás, e eu me sentia num filme de Scherlock Holmes.

No dia seguinte, no decorrer dos nossos passeios, Londres nos revelou seu lado encantador. Aí que fui entender que Londres não é uma cidade de charme imediatamente óbvio. É preciso viver cada momento lá pra entender tudo. Ao mesmo tempo que é uma cidade grande e confusa, também é linda e acolhedora. Londres pode ser antiga e enraizada no passado, com monumentos que nos deixaram perplexos e uma história de dar água na boca. Mas ao mesmo tempo consegue ser extremamente moderna e de vanguarda.

Em nenhum outro lugar que já conheci até hoje a globalização é mais visível. Em Londres, tem muita gente que não é de Londres. Milhões de pessoas de todas as raças e nacionalidades lotam as ruas da cidade, sejam turistas ou moradores. E isso causa uma curiosa diversidade de estilos, onde as pessoas vestem o que gostam e fazem o que têm vontade. E Londres é isso: toda esta mistura, onde todos se respeitam. Cada um na sua. 

Lá o transporte público é totalmente dependente das linhas do metrô, que são incrivelmente eficientes. Por isso que os terroristas atingiram Londres exatamente nesse ponto dias atrás (escrevi isso em 2005).

E como é a forma melhor para percorrer a cidade, andamos bastante de metrô mesmo. A lembrança dos atentados não saia da minha cabeça, e pelos olhares apreensivos das pessoas dentro dos vagões, elas também não tinham esquecido ainda. O metrô mete medo na gente, pois as estações são escuras, abafadas e sujas. Os vagões (sempre bem cheios) são muito velhos, e como o trem anda numa velocidade muito alta, fazem muito barulho e chacoalham bastante. Aquilo tudo dava uma sensação estranha na gente. Foi inevitável ficar olhando para as pessoas, julgando quem tinha cara de suspeito ou não. E para falar a verdade, aquela cidade tem cada tipo tão estranho, que muitos pareceram suspeitos para mim. Mas tudo correu bem e nada de ruim aconteceu enquanto estivemos lá. 

O metrô de Londres é confuso, porque tem muitas linhas, milhares de estações e a gente tem q fazer muita baldeação durante o percurso. A gente troca de trem o tempo todo, dependendo de onde se quer ir. É um verdadeiro labirindo debaixo da terra! Mas é muito eficiente. Alcança todas as áreas de Londres!

Outra alternativa são os taxis. Sem contar q é um charme aqueles carros pretos antigos né! Tem q pegar um taxi em Londres nem q seja uma vez! Ouvi dizer q agora estão trocando a frota por carros mais modernos. É uma pena, pois era o grande charme de Londres.

Londres tem características que são só dela. Os ônibus vermelhos de dois andares, a direção dos carros do lado direito, os taxis pretos antigos e aquelas cabines de telefone vermelhas espalhadas por cada canto. É a maior cidade da Europa e a mais cara também. Se dá ao luxo de não fazer parte da comunidade européia e com isso, preserva sua soberania e sua forte moeda (o Pound ou Libra), que vale mais que o Euro. A família real é muito querida e respeitada e em todas as moedas e cédulas tem o rosto da Rainha Elizabeth estampado.

Londres tem umas coisas engraçadas. A gente vê o tempo todo uns marmanjões musculosos, altos, de tênis, camiseta e ... ... usando Kilt! No Reino Unido é assim mesmo, os caras não abandonam este jeito de vestir de jeito nenhum, é cultural. Eu acho muito legal.

Andamos muito à pé pela cidade, e descobrimos que Londres é uma cidade incrível, diferente de qualquer outra, e que em cada esquina nos surpreende com sua beleza e imponência. Apesar disso, conseguimos encontrar alguns defeitos na cidade: Tem poucas latas de lixo pelas ruas, faltam escadas rolantes (sofri com o carrinho pra empurrar a Júlia) e é difícil encontrar faixas de pedestres, ou seja, é muito difícil atravessar as ruas.

A gente conheceu bastante coisa legal. À seguir, vou passar o roteiro que fizemos.

PRIMEIRO DIA EM LONDRES: Citytur no ônibus vermelho de dois andares! Exploramos a cidade toda, sem descer muito do ônibus. No fim do dia, quando já havíamos rodado tudo, descemos nos lugares que mais queríamos. Minha recomendação é que vc use esse citytur pra ter uma primeira noção da cidade. Aliás eu recomendo isso sempre, nas principais cidades do mundo. 

 

London Eye

SEGUNDO DIA EM LONDRES: Comece pela London Eye. Chegue cedo. Não tinha muita fila quando eu fui e é um passeio q não demora muito. 

No ano 2000, para marcar o início do novo milênio, foi construída a maior roda gigante do mundo, às margens do Rio Tâmisa, que corta a cidade. É como se fosse a Torre Eiffel em Paris e o Cristo Redentor no Rio. Foi programada para ser desmontada 5 anos depois de construída, mas prevaleceu até hoje como sendo o grande símbolo de Londres.

Nem precisa dizer que a vista lá do alto é linda, né? A gente entra numa espécie de casulo de vidro, que cabem umas 25 pessoas. Ela gira bem devagar. Uma volta completa dura 30 minutos e dá para tirar fotos incríveis. Lá de cima dá para ver a cidade inteira.

Ela é muito alta (135 mts) e chega a dar frio na barriga. Pra entrar, a gente passou por um fortíssimo esquema de segurança. Todo mundo é revistado. E de qualquer parte da cidade a gente avista a London Eye. (Preço: £30)

       A entrada.

 

                  O Palácio de Buckingham visto da London Eye.

 

           O Rio Tâmisa.

 

 

O calçadão "The Queen's Walk"

Assim que sair da London Eye, caminhe pela margem do Rio Tâmisa, em direção à Ponte Westminster, que é a ponte do Parlamento. O Queen's Walk é um calçadão de pedestres, não passa carro. É agitado, cheio de lojinhas e lanchonetes. E quanto ao nome... tudo em Londres tem a ver com a rainha, lógico! Desse calçadão dá pra tirar fotos bem legais porque a vista do Parlamento é perfeita. 

            The Queen's Walk (calçadão).

 

Estando no Queen's Walk, a vista do Parlamento é perfeita, com a ponte Westminster ao fundo.

 

Ponte Westminster

Depois, atravesse a Ponte Westminster à pé. Curta bem esse momento, porque é histórico!

A Ponte de Westminster é uma ponte em arco sobre o rio Tâmisa. Foi inaugurada em 1862, após anos de embargo do Parlamento, e atualmente constitui a ponte mais antiga da cidade.

Seus arcos são tradicionalmente pintados de verde, em referência à Câmara dos Deputados do Parlamento, sediada no Palácio de Westminster, vizinho à ponte.

           Na Ponte Westminster.

 

Parlamento & Big Ben

Desde 2017, a icônica Elizabeth Tower (apelidada de "Big Ben") está em reforma e permanecerá coberta por andaimes até 2020. Embora esses reparos sejam necessários para preservar a beleza arquitetônica do monumento, os turistas ficam desapontados com a situação. 

Mas quando fui à Londres pela primeira vez, pude ver o Big Ben descoberto, lindo e funcionando!

Parlamento e o Big Ben ficam no mesmo lugar. Não entrei para visitar. O bacana mesmo é sentar na grama que tem na frente e esperar o Big Ben tocar. 

Fiquei ali sentada na grama por um tempo. Ficam muitas pessoas sentadas também, tipo um Central Park rs. É bom lugar para uma pausa. É nessa praça que ficam as várias cabines de telefone vermelhas, aquelas tradicionais, com ótimos ângulos para fotos, com o Big Ben ao fundo.

          Foto clássica em Londres!

 

O Big Ben é um caso à parte! A rádio BBC de Londres transmite até hoje, ao vivo, as badaladas quando ele toca! Para ouvir o Big Ben tocar, clique aqui  www.youtube.com/watch?v=juT1zsim6es&feature=fvwrel

Veja o filme até o final. Parece que ele para de tocar, mas continua por muito tempo ainda. É emocionante! Nada se compara a estar lá pessoalmente e sentir as fortes badaladas que até treme a gente por dentro.

Assista esse filme sobre Londres e o Big Ben, é bem interessante. Clique aqui  www.youtube.com/watch?v=-w6tK4jCH6w&feature=related

 

Abadia de Westminster

Pertinho dalí fica a famosa Abadia de Westminster, igreja que a Rainha Elizabete foi coroada, onde a Princesa Diana se casou e foi velada, e recentemente foi onde o Príncipe William se casou com a Katy. 

Ahhhh, uma boa parte do livro "O Código da Vinci" de Dan Brown aconteceu nessa igreja. Amo os livros dele. Eu sempre menciono isso. 

 

Casa do Primeiro Ministro

Depois de explorar bem a Abadia de Westminster, pegamos a Avenida Whitehall em direção à Praça Trafalgar

        Whiterhall Avenue.

 

No caminho, passamos pela casa do Primeiro Ministro (quando fui era o Tony Blair) que fica no Número 10 da Downing Street. Tinha um esquema de seguranca muito forte por lá e o engraçado é que virou ponto turístico. Tinha um monte de gente tirando fotos com os policiais na frente da casa.

275 anos de história estão por trás da famosa porta preta da 10 Downing Street. Aqui é a residência oficial e o escritório do primeiro-ministro britânico. Atualmente é ocupada por Theresa May, mas já foi de Churchill, Margaret Thatcher, Tony Blair e muitos outros. A gente só chega até a grade do portão. Dalí para frente não pode passar.

            Casa do Tony Blair, então Primeiro Ministro da Inglaterra (2005).

 

Horse Guards, Palácio da Cavalaria

No caminho, também passamos pelo grandioso e maravilhoso palácio da Guarda da Rainha, o Horse Guards, o Palácio da Cavalaria Real. Lindo! Lindo! Lindo! Quando os guardas estão à serviço, demonstram tanto respeito à função, que não piscam, não sorriem e fecham os olhos ao serem fotografados.

          Royal Horseguards, Palácio da Guarda da Rainha.

 

Trafalgar Square

Então, chegamos à Trafalgar Square, que é uma praça linda, ampla e bastante movimentada, com várias cruzamentos de linhas de metrô. O prédio que mais chama mais atenção é o do Museu da National Gallery.

          O belo prédio da National Gallery.

 

Descanse um pouco na Praça Trafalgar Square. Dali, sugiro pegar um taxi de volta p o Big Ben e Parlamento para tirar fotos à noite. Sei q nessa altura do campeonato vc já estará morto de cansaço, mas vale o esforço. Aquela praça à noite fica cheia de gente e qualquer cantinho fotogênico fica concorridíssimo! Fotos à noite no Big Ben ficam FANTÁSTICAS!

 

Palácio de Buckingham

TERCEIRO DIA EM LONDRES: Comece pelo Palácio de Buckingham. Fique na frente por muito tempo, tirando fotos e assistindo a troca da guarda. A troca da Guarda tem hora marcada pra acontecer todos os dias. Acho que é ao meio dia. Informe-se antes de ir e chegue cedo para pegar um bom lugar. Fica muito cheio! Mas vale a pena. A Troca da Guarda é uma cerimônia linda! 

Os jardins do Palácio de Buckingham ficam abertos ao público no verão. É uma delícia passear por lá, principalmente quando se tem crianças.

 

London Tower 

A London Tower e a Tower Bridge: A Torre de Londres é um castelo medieval maravilhoso, que fica em frente à Tower Bridge. Vc pode entrar na Torre de Londres se quiser, aliás deve! Lá dentro ficam guardadas e expostas todas as jóias da Rainha. Dizem que o valor das jóias supera o PIB de muitos países. Coisa de louco mesmo!

Em frente à London Tower tem numa praça super agradável, cheia de bancos. Uma delícia ficar ali sentado descansando e curtindo o movimento.

Lá trás, à direita, a Torre Gherkin, edifício comercial em forma de bala, com acabamento de vidro arredondado e escuro.

 

Tower Bridge

Daqui se tem uma ótima vista da Tower Bridge. Não deixe de atravessar a Tower Bridge à pé. Passar debaixo das torres é bem legal. Pode-se subir nelas, mas nós não fomos.

 

Convent Garden Market

Outro canto de Londres que achamos bem gostoso para passar algumas horas e almoçar, foi a região do Convent Garden Market. É tipo um mercado municipal, tem muita coisa gostosa pra comer e de sobremesa, sorvetes deliciosos. É uma região com bastante artistas de rua, pra todo lado tem apresentações teatrais e pequenos shows.

No dia que fomos, estava tendo também uma feirinha de antiguidades, ou mercado de pulgas como chamam.

Apresentações de artistas de rua. Olha quanta gente para pra assistir!

       Estátua viva, olha que graça!

 

Royal Opera House

O Convent Garden Market fica pertinho (praticamente atrás) do Royal Opera House, que é tipo um teatro municipal, onde acontecem apresentações musicais e teatrais. E na frente fica a famosa escola de ballet, o Ballet Royal, de onde saíram famosas bailarinas que brilham no mundo todo. Tem uma estátua de bronze em forma de bailarina na frente. É uma estátua cativante. Olha que linda!

 

Camden Town

Outra coisa que não se pode deixar de visitar em Londres é o bairro onde viveu (e morreu) a cantora Amy Winehouse, o CAMDEN TOWN. Bairro muito interessante (esquisito), punk, alternativo, diferente de tudo que a gente já viu antes em relação à comportamento! Para mim que fiz moda na faculdade, foi um programa imperdível. 

Vá de metrô. A estação que vc vai descer chama-se Camden Town mesmo. 

O bairro tem uma rua principal, cheia de lojinhas modernetes. Vale a pena entrar no mercado Camden Market!!! É claro que vc não precisa comprar nenhuma daquelas roupas maluconas, mas com certeza vai dar pra garimpar uns acessórios bem legais. 

E de quebra ver a cara daquele povo maluco que anda por lá, rs. Vc vai se sentir A PESSOA MAIS NORMAL DO MUNDO, eu tenho certeza disso!

Camden Town fica realmente no fim do mundo, rs. Tanto que lá tem um Pub famoso com esse nome!

 

Meridiano de Greenwich

Estando em Londres, vale à pena ir à Greenwich para conhecer o Observatório. 

Visitar o Meridiano de Greenwich é um passeio imperdível e bem pertinho de Londres. Lá passa a linha que divide a Terra em dois hemisférios, Oriente e Ocidente, ou seja, longitude zero! Lá tem um observatório que fica em cima de uma colina e várias outras coisas pra ver. 

Dá pra ir e voltar em meio dia e de quebra, dá pra almoçar também, porque tem vários restaurante na rua principal. A cidade é bem pequenininha. Saindo de Londres, é só pegar um trenzinho especial. Nas estações do metrô eles dão todas as informações de como chegar lá. 

Nós estivemos em Greenwich e nesse link mostro como foi, clique aqui para ler  blog-da-ana34.webnode.com/meridiano-de-greenwich/  

 

Museu de Cera de Madame Tussaud

Tem também o Museu de Cera da Madame Tussaud, que lógico tem que ir sim! Esse é um famoso museu de cera, que reproduz com muita perfeição a figura de celebridades. A sede principal do museu fica em Londres, mas existem 13 filiais no mundo. 

Nós estivemos lá e foi muito divertido. Eu escrevi sobre ele, clique para ler  blog-da-ana34.webnode.com/museu-de-cera-de-madame-tussaud-londres/  

 

O Nosso hotel em Londres

Preciso deixar registrado aqui a nossa experiência de se hospedar numa casa vitoriana do século 19, muito bem conservada e elegante. Ficava um pouco afastada do centro de Londres, mas foi opção nossa mesmo ficar hospedados em um bairro residencial. A casa era um charme, arquitetura, mobília, tudo! Para as crianças foi uma diversão só ficarem hospedadas numa casa, com jardim e espaço para brincarem.

Esse relógio tocava altas badaladas de 1 em 1 hora, a madrugada inteira! A gente acordava assustado! Mas depois acostumamos com ele, rs.

E o mais interessante foi o café da manhã típico londrino, que não pode faltar feijão com molho de tomate doce! E acreditem, é uma delícia!

E por fim, nossa partida, no aeroporto de Heathrow. Dali voamos de volta para Frankfurt na Alemanha, que era a nossa casa em 2005. Foi uma viagem muito gostosa essa em família. 4 maravilhosos dias em Londres que realmente nos marcaram bastante.

Para ler todos meus posts sobre a Inglaterra, clique AQUI→www.anacassiano.com.br/inglaterra/

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.